Seguidores

terça-feira, 13 de abril de 2010

Anjo


Foi como um sonho
Você chegou
Como o sol de verão
Como o brilho do luar
Como as flores na primavera
Como borboletas no jardim
Com seus cabelos negros
Pele branca como a lua
Um olhar doce
Um sorriso sincero
Uma troca de olhar
Um abraço apertado
Foi um anjo
Foi você
Foi como um sonho!

Autor- Ricardo Cardoso

NEM TUDO QUE BRILHA É SOL


Há dia em que acordamos com os primeiros raios de sol brilhando na janela, os pássaros em um bailado de sons, orvalho brilhando entre as flores. E na solidão do meu carro, em meus próprios pensamentos, entre um semáforo e outro, a espera por um verde brilhante, e por um instante em um desvio de pensamentos, crianças dançando entre os carros, pés descalços, fuligens do asfalto, cabelos embaraçados, rostos miúdos, crianças malabaristas do asfalto, com os olhos brilhando a espera da moeda.
Moeda!
Moeda brilhante que a índia com seu filhinho mendigam na esquina, um indiozinho de pele vermelha, mãos pequenas a espera de algo,
O que!
Nem ele sabe, ah se soubesse que á quinhentos anos sua família já fora dona desta terra chamada Brasil.
Ah, se ele soubesse!
O que o homem fez com o homem, escravizou, matou em nome da fé, tomaram sua vida, seu rio, seu peixe, sua dignidade, em troca de desculpa, lhe ofertou uma homenagem “O dia do Índio”.
Ah! Indiozinho o que fizeram com você, fica ai a espera do brilho da moeda. Moeda que o velho sentado em seu orgulho, cabelos brancos, rugas que lhe revelam a idade, olhos que passam olhos que não querem enxergar, ouvidos que não querem ouvir. Velho, anônimo ao olhar alheio, quantas coisas viveu, quantas coisas estes olhos cansados enxergaram, quantas histórias tem para contar, quantas moedas para levantar-lhe.
Moeda que a mãe tenta ganhar, com seu carrinho de doce, para o leite comprar, e seu filho sustentar.
Leite!
Leite, que os homens com suas fardas azuis autoritárias não a deixam ganhar, com os olhos brilhando, uma lagrima eu vi rolar.
Ah! Mãe como queria te ajudar, mas acovardando-me em meu mundo, de semáforo em semáforo em meus próprios pensamentos.
O brilho do sol vai dando lugar ao brilho da lua, os pássaros fazendo seu último bailado, e eu, no conforto do meu lar, a espera do sol voltar, para minha janela brilhar.

Autor – Ricardo Cardoso


Negro


Negro, tu foras tirado do teu chão
Escravizado, humilhado, acorrentado
Sentiu o gosto do fel
A dor do tronco, cicatriz na alma
Teus filhos arrancados
Mulheres etária dos senhores
Da senzala o frio
Da fome, esperança
Do quilombo, refúgio
Da liberdade, relento
Do relento, morro
Do morro, senzala
Ainda hoje, buscando tua liberdade
És a maioria negra, sangue
Orgulha-te negro, levante a cabeça
Tu és um guerreiro vencedor

Autor - Ricardo Cardoso

Menina Ruiva


Ruiva menina, teu olhar me fascina
Teu sorriso me alegra
Teu cheiro me embriaga
Tua voz me conquista
Teu jeito de mulher menina me faz sonhar
Sonhar!
Voltar no tempo...
Ficar com você
Ah! menina ruiva
Que me faz sonhar!

Autor - Ricardo Cardoso

Morena Menina



Morena menina, teu olhar me fascina
Teu sorriso me alegra
Teu cheiro me embriaga
Tua voz me conquista
Teu jeito de mulher menina me faz sonhar
Sonhar!
Voltar no tempo...
Ficar com você
Ah! Morena, menina
Que me faz sonhar!

Autor - Ricardo Cardoso

Menina loira


Loira menina, teu olhar me fascina
Teu sorriso me alegra
Teu cheiro me embriaga
Tua voz me conquista
Teu jeito de mulher menina me faz sonhar
Sonhar!
Voltar no tempo...
Ficar com você
Ah! loira, menina
Que me faz sonhar!

Autor - Ricardo Cardoso